domingo, abril 14, 2024
HomeNoticiasCulturaCasa Fiat de Cultura convida Marília Andrés Ribeiro para bate-papo sobre a...

Casa Fiat de Cultura convida Marília Andrés Ribeiro para bate-papo sobre a consolidação do modernismo em Minas Gerais

Durante o evento serão evidenciados temas que envolveram exposições e encontros, além de aspectos ligados à urbanização e arquitetura

A compreensão de como o espírito moderno se projetou em produções de intelectuais e artistas de Belo Horizonte e do interior de Minas Gerais será abordada pela Casa Fiat de Cultura no Encontros com o Patrimônio “Modernismos à mineira: influência e reverberações da arte moderna em Minas Gerais”. A convidada para esta edição é Marília Andrés Ribeiro, historiadora, crítica de arte, curadora, professora e pesquisadora da arte moderna e contemporânea, que participa de um bate-papo virtual com a historiadora e educadora do Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura, Ana Carolina Ministério. O evento será realizado em transmissão ao vivo no dia 27 de março, das 11h às 12h30, com inscrição gratuita pela Sympla:  https://bit.ly/ModernismosAMineira.

Durante o bate-papo, Ana Carolina Ministério vai explorar como os debates desencadeados pela Semana de Arte Moderna de 1922 também estiveram presentes em manifestações culturais em Minas Gerais. “A Exposição de Arte Moderna de 1944, realizada em BH, foi um marco para o estado e para o Brasil. Mas, ela foi o resultado de um processo que já vinha acontecendo desde a década de 1920, e nos mostra como o modernismo foi se consolidando aos poucos. Nem todos sabem o que acontecia na capital mineira antes da chegada de Guignard”, antecipa.

A historiadora destaca a exposição realizada pela pintora Zina Aita, em 1920, considerada como a primeira manifestação de arte moderna em Minas. “Na década de 1920, percebemos algumas manifestações isoladas do modernismo, mas já em 1930 elas foram se encorpando. Havia uma efervescência na cidade, por exemplo, com a construção do Viaduto Santa Tereza e da fundação da Escola de Arquitetura, e, principalmente, após o “Salão de 36”, exposição coletiva de arte moderna realizada em um bar, no subsolo do Cine Brasil”, comenta Ana Carolina Ministério, que concluirá falando sobre o paradoxo entre tradição e modernidade ao trazer detalhes sobre a Exposição de Arte Moderna de 1944.

A pesquisadora da arte moderna e contemporânea, Marília Andrés Ribeiro, abordará a política de modernização da prefeitura de Juscelino Kubitschek, focalizando a Escola Guignard e os alunos e alunas que seguiram a vertente construtiva da arte brasileira. Para ela, o impacto de Guignard na formação de uma geração de artistas modernos em Belo Horizonte foi enorme. “Guignard introduziu um novo ensino de arte pautado pela liberdade e disciplina, incentivou os alunos a participar de exposições, abriu o espaço da Escola para a visita de intelectuais e artistas modernos”. Marília ainda relembra que, junto com Franz Weissmann e Edith Bhering, Guignard dinamizou o Instituto de Belas Artes nos anos 1940, que, mais tarde, foi transformado na Escola Guignard. “Todos participaram de um movimento de arte moderna que se expandia nas artes, na arquitetura e na cultura brasileira, incentivado pela política de modernização do prefeito JK em Belo Horizonte”, conclui.

Encontros com o Patrimônio “Modernismos à mineira: influência e reverberações da arte moderna em Minas Gerais” é uma realização da Casa Fiat de Cultura e do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat, do Banco Safra e da Usiminas, e co-patrocínio do Grupo Colorado. O evento tem apoio institucional do Circuito Liberdade, do Governo de Minas e do Governo Federal, além do apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e do Instituto Usiminas.  

Marília Andrés Ribeiro

 

Historiadora, crítica de arte, curadora, professora e pesquisadora da arte moderna e contemporânea. Licenciada em Filosofia pela FAFICH/UFMG (1972); Mestre em Artes Liberais pela State University of New York at Stony Brook, EUA (1975); Doutora em Artes, pela ECA/USP, São Paulo (1995); Pós-doutora, com supervisão do Prof. Dr. Francisco Jarauta, da Universidade de Murcia/Espanha (2014). Foi professora de História da Arte da UFMG (1976-2000), Presidente do Comitê Brasileiro de História da Arte (2004-2007) e diretora da Editora C/Arte (1996-2015). Atualmente é presidente do Instituto Maria Helena Andrés (IMHA).

 

Publicou os livros: Neovanguardas: Belo Horizonte, anos 60. (Editora C/Arte, 1997) e Introdução às Artes Visuais em Minas Gerais (Editora C/Arte, 2013), e também organizou diversos livros, entre eles: Um Século de História das Artes Plásticas em Belo Horizonte (Editora C/Arte, 1997); e Coleção Circuito Atelier e Coleção Historiando a Arte Brasileira (Editora C/Arte, 1998-2015). Realizou várias curadorias, entre elas: Fotografia e Natureza, na Lemos de Sá Galeria de Arte, em Nova Lima/MG; Arte e Política, no Acervo do MAP, SESC Palladium, 2016; e Teresinha Soares, no Palácio das Artes, em 2018.

A Casa Fiat de Cultura

A Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural brasileiro, ao realizar prestigiadas exposições. A programação estimula a reflexão e interação do público com várias linguagens e movimentos artísticos, desde a arte clássica até a arte digital e contemporânea. Por meio do Programa Educativo, a instituição articula ações para ampliar a acessibilidade às exposições, desenvolvendo réplicas de obras de arte em 3D, materiais em braille e atendimento em libras. Mais de 60 mostras, de consagrados artistas brasileiros e internacionais, já foram expostas na Casa Fiat de Cultura, entre os quais Caravaggio, Rodin, Chagall, Tarsila, Portinari entre outros. Há 16 anos, o espaço apresenta uma programação diversificada, com música, palestras, residência artística, além do Ateliê Aberto – espaço de experimentação artística – e de programas de visitas com abordagem voltada para a valorização do patrimônio cultural e artístico. A Casa Fiat de Cultura é situada no histórico edifício do Palácio dos Despachos e apresenta, em caráter permanente, o painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. O espaço integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Mais de 3,2 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 580 mil participaram de suas atividades educativas.

SERVIÇO

Encontros com Patrimônio online
Modernismos à mineira: influência e reverberações da arte moderna em Minas Gerais
Convidada: Marília Andrés Ribeiro

27 de março, das 11h às 12h30 – Bate-papo virtual
Evento gratuito, com inscrição pela Sympla:
 https://bit.ly/ModernismosAMineira

Casa Fiat de Cultura
Circuito Liberdade
Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG

Informações
(31) 3289-8900
www.casafiatdecultura.com.br
casafiat@fcagroup.com
facebook.com.br/casafiatdecultura
Instagram: @casafiatdecultura
Twitter: @casafiat
www.circuitoliberdade.mg.gov.br

Leo Junior
Leo Juniorhttps://viralizabh.com.br
Bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNA, graduado em Marketing pela Unopar e pós graduado em Marketing e Negócios Locais e com MBA em Marketing Estratégico Digital, é um apaixonado por futebol e comunicação além de ser Jornalista certificado pelo Ministério do Trabalho.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments