quarta-feira, junho 12, 2024
HomeNoticiasPico da Ômicron em fevereiro reacende alerta para grupos de risco

Pico da Ômicron em fevereiro reacende alerta para grupos de risco

Entre aqueles que precisam de atenção especial estão os pacientes em tratamento oncológico

De acordo com os monitoramentos feitos pelo Ministério da Saúde e, também, pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES), o Brasil deve enfrentar o pico de casos da variante Ômicron do coronavírus neste mês. Em janeiro, o país registrou o maior número de casos diários de covid-19 desde o início da pandemia.

O primeiro mês do ano terminou com quase meio milhão de casos da doença em Minas Gerais. Foram 490 mil registros, mais do que o dobro do índice de março de 2021, no pico da pandemia, quando foram contabilizados 240 mil casos em um mês.

A boa notícia é que, graças à vacinação, a alta no número de casos não foi acompanhada pelo aumento de óbitos. Ainda assim, a nova onda reacende um alerta importante para os grupos de risco, entre eles os pacientes que estão em tratamento de algum tipo de câncer.

O oncologista da Oncomed, clínica de BH especializada na prevenção e tratamento de câncer, Leandro Ramos, avalia que, frente aos novos indicadores, é indispensável reforçar as orientações especialmente para alguns grupos de pacientes.

Ele reforça que as pessoas com idade acima de 60 anos e aquelas com doenças crônicas, como diabetes, doenças cardiovasculares e respiratórias e com imunidade baixa, possuem um risco maior de terem complicações graves se forem contaminadas pelo coronavírus.

Conforme o especialista, da mesma forma, pessoas com câncer que estejam em tratamentos de quimioterapia, radioterapia, que tenham feito cirurgia há menos de um mês ou que façam uso de medicamentos imunossupressores fazem parte do grupo de risco. “Isso quer dizer apenas que os cuidados precisam ser maiores. Não é motivo para pânico, mas sim para atenção especial e um cuidado mais atento”, disse. 

O médico alerta ainda que o paciente com câncer não deve, em nenhuma hipótese, parar seu tratamento por conta própria, seja quimioterapia, radioterapia ou cancelar uma cirurgia. “Caso o paciente tenha sintomas de covid-19, ele deve fazer o exame. Tendo sido confirmada a contaminação, toda decisão quanto ao tratamento deve ser feita em conjunto com a equipe médica. Em algumas situações consultas e exames poderão ser adiados e remarcados, mas somente um médico poderá avaliar”, alertou. 

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) listou como o paciente deve agir no dia do tratamento durante a pandemia de coronavírus. Veja!

– Ter somente um acompanhante, com menos de 60 anos, se possível. O acompanhante não poderá ter sintomas de resfriado ou gripe;

– Tentar manter distância de outras pessoas, mesmo da equipe de saúde;

– Não ficar próximo de outros pacientes;

– Não ficar no local de tratamento por mais tempo do que o necessário;

– Manter as recomendações de prevenção como lavar as mãos com água e sabão, na sua ausência, usar álcool em gel; cobrir nariz e boca com lenço ao tossir ou espirrar – se não for possível, deve usar o antebraço como barreira e não compartilhar objetos pessoais.

Leo Junior
Leo Juniorhttps://viralizabh.com.br
Bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNA, graduado em Marketing pela Unopar e pós graduado em Marketing e Negócios Locais e com MBA em Marketing Estratégico Digital, é um apaixonado por futebol e comunicação além de ser Jornalista certificado pelo Ministério do Trabalho.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments