domingo, julho 14, 2024
HomeEntretenimentoEquilíbrio racial e de gênero foi a marca do 12º. Fliaraxá, visitado...

Equilíbrio racial e de gênero foi a marca do 12º. Fliaraxá, visitado por 25 mil pessoas

Ministra Cármen Lúcia participou do encerramento, em streaming, e destacou a importância dos festivais literários no País como espaços para revitalizar sonhos civilizatórios e oportunidades valiosas para repensar a humanidade

Cerca de 25 mil pessoas compareceram à 12ª. edição do Fliaraxá, entre os dias 19 e 23 de junho. O público presente pôde acompanhar as reflexões de 110 escritores e escritoras presentes no evento literário, que promoveu atividades acessíveis, inclusivas, antirracistas, éticas, educativas e em equilíbrio com a diversidade, economia criativa, raça, gênero e pessoas com deficiência. A Fundação Calmon Barreto, local de realização do evento, recebeu uma das maiores livrarias já montadas, com 440m² e 30 mil títulos. Foram vendidos cerca de 7 mil exemplares.

Há 12 anos apresentado pela CBMM via Lei Rouanet, toda a programação foi gratuita, garantindo a democratização do acesso. O evento contou, também, com o patrocínio do Itaú e Bem Brasil. Com o tema “Memória, Literatura e Diversidade”, o Fliaraxá equiparou os convidados em termos de gênero, raça e também de origem geográfica no Brasil, mantendo o equilíbrio entre homens e mulheres, com representatividade de autores negros, brancos, indígenas e de diferentes estados brasileiros. Neste ano, o evento teve curadoria nacional de Afonso Borges, Tom Farias, Sérgio Abranches e curadoria local de Rafael Nolli, Luiz Humberto França e Carlos Vinícius Santos da Silva. O curador da programação infantojuvenil foi o escritor e professor Leo Cunha.

Participaram, na qualidade de apoio cultural, a Prefeitura de Araxá, a Fundação Cultural Calmon Barreto, a TV Integração, a Embaixada Francesa no Brasil, o Institut Français e a Academia Araxaense de Letras.

Números da 12ª. edição

A operação do Fliaraxá é possível graças ao trabalho de diversas mãos. Neste ano, a equipe envolvida na organização do evento foi composta por 18 profissionais da área audiovisual, 11 pessoas no universo web e na imprensa e duas fotógrafas – isso sem contar as dez pessoas que trabalharam na produção do evento, juntamente a 15 profissionais destinados à montagem e 14 à recepção do Festival. Motoristas, seguranças, carregadores e equipe de limpeza somaram um número de 40 profissionais, enquanto a livraria dispôs de sete pessoas trabalhando no local. A Rua da Economia Criativa contou com a atuação de 58 pessoas, o que resultou em 250 profissionais envolvidos, entre empregos diretos e indiretos.

2.400 horas foram necessárias para montar a infraestrutura do 12º. Fliaraxá, que dispôs de 980m² de área coberta e piso elevado, 220 m² de impressão digital, 1.800 metros de cabeamento para iluminação e de revestimentos diversos e mais de 50 pontos de iluminação decorativa e de serviço – o que acarretou em mais de 45 toneladas de estrutura e equipamentos.

Quanto às redes sociais, mais de 22 mil seguidores acompanharam as divulgações online, que refletiram em mais de 43 mil visualizações do perfil e quase dois milhões de impressões. No Facebook, mais de 17 mil curtidas da página refletiram em mais de 300 mil impressões totais. O site, espaço virtual que contempla todas as informações a respeito do Fliaraxá, teve mais de 71 mil visualizações.

Aproximadamente 150 atividades foram transmitidas simultaneamente e estão disponíveis para serem assistidas, em qualidade 4K, no canal do YouTube do Fliaraxá. Durante esse período, o número de visualizações do canal, que tem 5.830 inscrições, atingiu a marca de 319 mil acessos, o que resultou em um expressivo número de tempo assistido durante o 12º. Fliaraxá: 68.832 minutos. Os vídeos do canal foram assistidos por espectadores do Brasil, mas também de outros países: Portugal, Moçambique, França, Indonésia, Angola, Hungria, Canadá, Cabo Verde, China e Estados Unidos também acompanharam o evento pelo ambiente cibernético. As impressões das redes sociais do Festival indicam que, mais do que nunca, o evento é figital: combina as dimensões física, digital e social.

Diálogos ilimitados

O formato aberto, sem que haja um tema pré-definido, contribuiu para a riqueza dos debates, que seguiram motivados pela interação do momento entre os autores. As conversas abordaram desde aspectos mais prosaicos do cotidiano às reflexões filosóficas, passando por uma discussão sobre linguagens – o papel da literatura e o que há de vanguarda neste campo em todo mundo.

Dos 110 autores que compuseram a programação do 12º. Fliaraxá, 41 atrações participaram de mesas locais e 24  das nacionais e internacionais. Também foram realizadas quatro oficinas e 173 sessões de autógrafos, incluindo autores de lançamentos independentes. O evento também contou com apresentações musicais de cinco grupos de chorinho e viola caipira, que se apresentaram ao longo dos cinco dias de evento, totalizando 24 pessoas.

O festival promoveu encontros históricos, como a conversa entre Conceição Evaristo, Eliana Alves Cruz e Tom Farias sobre ancestralidade. Também abriu espaço para  reflexões dos escritores sobre o processo criativo –  criação de personagens, adesão a diferentes gêneros literários, vozes narrativas e projetos literários -, como fizeram Aline Bei, Geovani Martins e Marcia Tiburi.

Também houve conversas sobre ética do cuidado e espiritualidade como no encontro entre Djamila Ribeiro e Bruna Lombardi; ou a literatura em diálogo com outros campos artísticos nas abordagens feitas por Aline Bei, Afonso Cruz, Marcelino Freire e Stefano Volp. Os afetos e a descolonização deles também foram pontos salientados em diferentes mesas, como a conversa entre Denise Fraga e Renato Nogueira e as participações, em dois momentos diferentes, de Geni Núñes.

Espaço de partilha

O Fliaraxá é um espaço de partilha, em que os autores compartilham relatos sensíveis, como foi o depoimento de Luana Tolentino, autora do livro “Sobrevivendo ao racismo”, que, no formato de cartas, narra situações de racismo que enfrentou principalmente no ambiente escolar. Relatos afetuosos como o de Bianca Santana revelando momentos íntimos com a avó Polu, e de Marcelino Freire com a mãe Maroca e a tia Totonha e da relação de Djamila com sua ancestralidade, com sua avó, mãe e a filha Thulane. Outro momento comovente foi a conversa entre Marcelino Freire, Socorro Acioli e Eliana Alves Cruz, que falaram da fé na literatura.

Em fala por streaming no encerramento da 12ª. edição do Fliaraxá, a ministra do STF Cármen Lúcia destacou a importância dos festivais literários na atualidade para a democracia brasileira, a exemplo do que foram os festivais de música no período da ditadura militar. A ministra participou da mesa de Conceição Evaristo, Calila das Mercês e Afonso Borges.

O Fliaraxá também é um espaço para pensar o fazer literário, do momento da ideia para a escrita de um livro à edição, passando pelo mercado editorial e a recepção dos leitores. Aline Bei deu dicas preciosas de seu processo criativo: o uso de um caderno e a escrita a mão, o cuidado na construção dos personagens, dos protagonistas aos secundários. Giovani Martins, que viu a possibilidade de levar para a literatura a voz do lugar onde nasceu e vive, contou um pouco de como constrói a dicção própria em sua literatura.

O festival também se consolida como espaço para discutir os grandes temas do Brasil, como democracia, a concepção de país, assim como foi feito na mesa entre Paloma Jorge Amado e Conceição Evaristo, com mediação de Guilherme Amado. O jornalista Matheus Leitão também trouxe, em sua mesa, uma reflexão sobre a relação da ditadura militar e o racismo.

Encerrando a programação nacional do evento, uma mesa reuniu as escritoras Conceição Evaristo e Calila das Mercês, o idealizador e fundador do Fliaraxá, Afonso Borges, e a ministra do STF Cármen Lúcia, que participou da ocasião por videoconferência. Introduzindo o debate, Cármen afirmou que, nos dias atuais, os festivais de literatura promovem a vigilância e a atenção aos direitos de todos. Eventos como o Fliaraxá, que promovem reflexão e confraternização, são momentos de encontro e reconexão em uma sociedade tão desencontrada.

Prêmio de Desenho e Redação

Um dos momentos mais emocionantes do festival é a revelação dos vencedores do Prêmio de Redação e Desenho que, nesta edição, homenageou o multiartista Ziraldo, falecido recentemente, Patrono da 12ª edição do Fliaraxá. A premiação mobilizou 83% da rede escolar de Araxá, tendo participado 58 escolas da cidade. Cerca de 20 mil alunos foram estimulados a criar um desenho ou uma redação, no formato fanfic, baseados em um livro ou personagem criado por Ziraldo. Os alunos de nove escolas municipais, quatro instituições estaduais e cinco unidades particulares foram contemplados com o prêmio.

Neste ano, o Prêmio de Redação e Desenho do 12.º Fliaraxá abriu uma nova categoria, voltada para estudantes PCDs (Pessoas Com Deficiência) entre 9 e 18 anos de idade, não alfabetizados. Ou seja, estes alunos, que não dominam a linguagem escrita, puderam participar com um desenho, seguindo a temática proposta pelo Festival. Os estudantes PCD entre 4 e 8 anos participaram da Categoria 1 (Desenho) – de 4 a 5 anos (Educação Infantil) – e da Categoria 2 (Desenho) – de 6 a 8 anos (Fundamental I).  A criação de uma categoria voltada a crianças e adolescentes PCDs visa a ampliação de possibilidades para garantir e estimular as potencialidades de toda a rede educacional araxaense, com equidade.

A programação infantil contou com programação extensa para a garotada: contação de histórias, saraus de escritores, oficinas de dedoches e o encontro com autores. No encerramento no domingo, os escritores Alessandra Roscoe, Cristina Agostinho, Leo Cunha, Giba Pedroza, Marina Bastos e Tino Freitas fizeram um sarau.

ESG

O Fliaraxá preza e trabalha com os princípios da preservação ambiental, fato que pode ser comprovado a partir da parceria de anos que o evento mantém com o Instituto Terra no que tange à compensação de emissões de gás carbônico na atmosfera. Em 2024, o Fliaraxá foi além e inseriu a prática da reciclagem em sua jornada.

Realizado entre os dias 1º e 5 de maio de 2024 na cidade fluminense de Petrópolis, o Festival Literário Internacional do município dispôs de 320m² de impressões em lona, que foram utilizadas para revestir auditórios, compor totens e embelezar a estrutura. Esse material seria descartado; no entanto, por se tratarem de festivais “irmãos” (ambos são presididos pelo empreendedor cultural Afonso Borges), as lonas impressas do Flipetrópolis foram destinadas ao Fliaraxá para serem recolhidas e recicladas. Esse processo resultou em 150 bolsas, que foram distribuídas aos autores da programação do Fliaraxá e aos patrocinadores do evento. Tal ação reforçou o compromisso do Fliaraxá com o meio ambiente e, assim, com a sociedade como um todo.

Em convênio firmado há anos com o Instituto Terra, além do plantio de árvores para compensação de CO2, o Fliaraxá investe no cultivo de plantas nativas, fundamentais para a regeneração do meio ambiente e a proteção da biodiversidade. O convênio com o Instituto também incrementa um dos pontos fortes do Instituto: a educação ambiental, na formação de jovens profissionais especializados. E, no futuro, o mais importante: a recuperação de nascentes.

Acessibilidade

A acessibilidade é um dos princípios orientadores do Fliaraxá e os autores fizeram a audiodescrição no início de cada mesa. Os debates também foram apresentados por intérpretes de Libras nas redes sociais do festival e estão disponíveis para serem assistidos com a interpretação no canal do YouTube do Fliaraxá.

Além disso, rampas de acessibilidade, descrição audiovisual de obras de arte, banheiros adaptados, placas indicativas, locais destinados para a colocação de cadeiras de rodas sustentaram a premissa de levar a cultura e, mais fortemente, a literatura, para os visitantes do Festival. Mesmo se tratando de propostas para pessoas com deficiências, essas adaptações também beneficiam idosos e gestantes, garantindo que a cultura – sobretudo, a literatura – sejam democratizadas. Afinal, o direito à cultura é garantido a todos os indivíduos pela Constituição Federal, e é para levar esses ideais a todos os públicos que a equipe do Fliaraxá trabalha há 12 anos.

Serviço

12º. Festival Literário Internacional de Araxá – Fliaraxá
Realizado de 19 a 23 de junho de 2024, de quarta-feira a domingo
Local: Programação presencial na Fundação Cultural Calmon Barreto (Praça Arthur Bernardes, 10 – Centro), e programação digital no YouTube, Instagram e Facebook – @‌fliaraxa
Entrada gratuita

Leo Junior
Leo Juniorhttps://viralizabh.com.br
Bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNA, graduado em Marketing pela Unopar e pós graduado em Marketing e Negócios Locais e com MBA em Marketing Estratégico Digital, é um apaixonado por futebol e comunicação além de ser Jornalista certificado pelo Ministério do Trabalho.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments