domingo, abril 14, 2024
HomeNoticiasCidadeDia 8/10, Exposição "Cartografia Imaginária" e livro "Sobre o Rio" são lançados...

Dia 8/10, Exposição “Cartografia Imaginária” e livro “Sobre o Rio” são lançados na Academia Mineira de Letras

No traçado de uma nova e moderna cidade, Belo Horizonte nasceu como se seu mapa fosse um grande tabuleiro de xadrez e a Rua da Bahia ganhou posição estratégica, ligando pontos importantes da capital planejada. Não à toa, ela se consolidou como parte essencial da vida de quem por aqui passou e é isso que a exposição “Cartografia Imaginária: Rua da Bahia” traz para o público. A mostra, que será inaugurada dia 8 de outubro na Academia Mineira de Letras, tem curadoria de Marconi Drummond e Maurício Meirelles e reúne literatura, artes visuais, arquitetura, história urbana e escritas sobre a cidade.

Também no dia 8 de outubro, a partir das 10h, acontece o lançamento do livro “Sobre o Rio”, de autoria da artista e professora Isabela Prado, que aborda intervenção artística sobre os córregos existentes debaixo das ruas de Belo Horizonte. O evento, aberto ao público, contará também com um bate-papo, com mediação de Janaina Melo, e a participação de Michele Arroyo e Roberto Monte-Mór, que contribuem com textos para o livro.

A exposição acontece no âmbito do projeto Rua da Bahia: Cartografias Literárias número: 2018.12.0089, Fundo Estadual de Cultura com a parceria do Festival Verbo Gentileza, apoio do SESC PALLADIUM, da Associação dos Amigos da AML- AMIGOS e da Associação Comercial de Minas Gerais- ACMinas.

“A cidade é um território de memórias e de afetos. Com a Rua da Bahia, não é diferente. Ela guarda muitas histórias e é uma das vias urbanas mais celebradas pela Literatura feita em Minas. A exposição que ora temos a alegria de inaugurar recria algumas dessas narrativas, reativando a presença de personalidades que marcaram época e de lugares importantes na trajetória cultural da capital. Vale a pena embarcar nesse passeio pelo tempo. A curadoria de Marconi Drummond e de Maurício Meirelles resultou numa mostra de altíssimo nível, que merece ser apreciada”, comenta o presidente da Academia Mineira de Letras, Rogério Tavares.

 

EXPOSIÇÃO “CARTOGRAFIA IMAGINÁRIA: RUA DA BAHIA”, COM CURADORIA DE MARCONI DRUMMOND E MAURÍCIO MEIRELLES

 

A mostra propõe um olhar contemporâneo sobre a história literária e urbana da Rua da Bahia. Tomando a via como personagem, a intenção dos curadores do projeto é investigar e narrar a trajetória da construção material e simbólica da Rua da Bahia ao longo do tempo.

O público é convidado a percorrer diversas temporalidades dessa rua que é o principal “território literário” da cidade: o Bar do Ponto, a Livraria Francisco Alves, o Café Estrela, locais onde se reunia a geração modernista de Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava e Emílio Moura; o Grande Hotel, que hospedou, em 1924, a célebre “Caravana Paulista” de Mário e Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral; os bares do Edifício Maletta, palco da Poesia Marginal e das publicações independentes, nas décadas de 1970 e 1980; os baixios do viaduto Santa Tereza, que abrigam, atualmente, o movimento Hip Hop dos MC’s – são múltiplas as geografias literárias e as dimensões culturais da Rua da Bahia.

“Nenhuma rua em Belo Horizonte carrega tanto significado quanto a da Bahia. Ao revisitar tantos clássicos da literatura brasileira e a própria história da cidade, é natural parafrasear Pedro Nava e dizer que todos os caminhos levam à Rua da Bahia. Importantes momentos da vida cultural de Belo Horizonte e do país aconteceram – e continuam acontecendo – ali: é como se o tempo criasse uma linha que parece infinita para quem a percorre com sensibilidade: a Rua da Bahia continua se transformando e sendo ponto de encontro de várias gerações”, destaca Marconi Drummond.

Organizada em torno de dez núcleos expositivos que dialogam entre si, a exposição percorre a via e suas cercanias, desde o Ribeirão Arrudas até a Praça da Liberdade. Antes de adotar um conceito linear e temático, a estrutura da exposição toma a Rua da Bahia como síntese das ideias de “cidade alta” – diurna e solar, ligada ao poder e às regras sociais – e “cidade baixa” – noturna e profana, ligada ao corpo e suas práticas: os dois focos de uma elipse cujo ponto de partida é também o de chegada, na bela imagem-metáfora criada pelo professor João Antonio de Paula para se referir à Rua da Bahia.

“Se a literatura produzida sobre a capital mineira tivesse uma cartografia, certamente a Rua da Bahia seria seu eixo principal. Foi a partir dessa ideia que criamos a exposição, de modo que o “mapeamento literário” da cidade, feito por sucessivas gerações de narradores, permita ao público investigar sua própria relação com esse território cultural de Belo Horizonte”, completa Maurício Meirelles.

A mostra também conversa com a exposição “Cartografia Imaginária: a cidade e suas escritas”, realizada na Galeria GTO do SESC PALLADIUM, em 2018.

 

Um passeio pela Rua da Bahia: 10 núcleos expositivos

Uma Rua além da rua: simples reta urbana no projeto de Belo Horizonte, indistinta das demais ruas que lhe são paralelas, a Rua da Bahia ganhou, por meio da literatura, uma dimensão afetiva e poética que transcende seus limites físicos, ou, nos dizeres de Pedro Nava: “Da rua da Bahia partiam vias para os fundos do fim do mundo, para os tramontes dos acabaminas […], círculo infinito…”

 

Um rio (in)visível: Eixo histórico de ligação entre a antiga Avenida do Comércio e a Praça da Liberdade, a Rua da Bahia conecta também dois territórios simbólico-afetivos bastante distintos: em cima, a cidade diurna e solar, ligada ao poder, às regras sociais, àquilo que se quer mostrar; embaixo, a Belo Horizonte noturna e profana, ligada ao corpo e sua fisiologia, àquilo que se quer esconder.

 

Descer: “[o] quadrilátero da zona […], vasta área de doze quarteirões de casas. A partir da crista de Caetés, as ruas ladeiravam até despencarem no Arrudas. […] daí o
significado especial de descer dado pelos belorizontinos à ação de ir à zona, à patuscada, à farra, ao cabaré lá embaixo […]” – Pedro Nava, em “Beira-mar”, nos conta sobre as práticas do corpo que, perdurando até os dias atuais, levaram à criação de um território literário conectado ao desejo e ao desregramento dos sentidos.

 

Um arco no tempo: Contemporâneo do famoso poema de Carlos Drummond de Andrade “Uma pedra no caminho” – publicado na “Revista de Antropofagia”, em 1928 –, o viaduto Santa Tereza trouxe ares modernos à capital. Nove décadas depois, é a vez de os MC’s se apropriarem do lugar. Mas, ao contrário do poeta – que atravessava o viaduto caminhando sobre um dos arcos laterais –, a nova geração vai se interessar pela parte inferior do Santa Tereza: uma ocupação criativa e política dos baixios da cidade.

 

Geografia mutilada: Principal área verde do plano original de Belo Horizonte, o Parque Municipal teve sua área reduzida em cerca de setenta por cento, consequência das transformações urbanas que o fragmentaram ao longo do tempo. Se, por um lado, a atual configuração do parque é quase um vestígio de sua forma inicial, o lugar é sede de narrativas e manifestações artísticas que, ao longo da história da cidade, o constituíram num vasto território simbólico.

 

Periódicos: prática da vanguarda: Servindo à difusão de ideias e práticas de sucessivas gerações de escritores e artistas, as revistas de literatura e arte editadas em Belo Horizonte sempre contribuíram para a renovação do cenário cultural no Brasil: desde os anos 1920, com “A Revista” – porta-voz da geração de Carlos Drummond de Andrade –, passando pelas publicações das décadas de 1940 e 50 – a literatura em diálogo com outras áreas artísticas –, até as publicações atuais, os periódicos criaram uma verdadeira tradição editorial entre nós.

 

O Grande Hotel Maletta: Em 1924, a vinda a Belo Horizonte da “Caravana Paulista”, formada pelos modernistas Oswald e Mário de Andrade, Tarsila do Amaral e outros iria influenciar decisivamente a geração de Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava e Emílio Moura. O impacto desse evento no imaginário local é tamanho que, cinco décadas depois, os movimentos literários que marcaram a cidade nos anos 1970 e 1980 surgiram no lugar onde, antes, havia o Grande Hotel de Belo Horizonte: os bares
do Conjunto Arcângelo Maletta.

 

Cartografia sentimental:  Em “Beira-mar”, Pedro Nava percorre, quase sessenta anos depois, o principal território de seus anos de formação, vividos em Belo Horizonte na década de 1920: a região do Bar do Ponto. Mais do que mapear literariamente lugares há muito desaparecidos, o autor reconstrói, com a força de sua prosa poética, os lugares vividos pelos “jovens futuristas” – como sua geração era chamada –, compondo, através da memória afetiva, uma cartografia sentimental da Rua da Bahia.

 

Modernidade no Horizonte: Durante sua breve estada na capital de Minas Gerais, em 1924, Mário de Andrade escreve o célebre poema “Noturno de Belo Horizonte”. A partir do encontro entre o modernista e Carlos Drummond de Andrade, inicia-se uma intensa troca de correspondências entre os dois autores, que iria durar até o final da vida do escritor paulista. Influenciado pelas ideias gestadas na Semana de 22, trazidas a Minas pela “Caravana Paulista”, o poeta itabirano escreve, em 1928, o famoso poema “Uma pedra no Caminho”, que simbolizaria, no plano literário, a entrada de Belo Horizonte na modernidade.

 

Os dois focos da elipse: Ligando a cidade diurna, relacionada ao Poder, à cidade noturna e profana, a Rua da Bahia pode ser vista como o eixo maior de uma elipse – figura geométrica dinâmica, gerada a partir de um duplo centro – cujos focos seriam a Praça da Estação e a Praça da Liberdade. Esse núcleo encerra a exposição, reconectando-se poeticamente, no entanto, ao núcleo de abertura: afinal a Rua da Bahia é o “círculo infinito…” de que nos fala Pedro Nava.

 

LIVRO “SOBRE O RIO”, DE ISABELA PRADO

 

“Sobre o rio” trata-se de uma intervenção urbana permanente nas ruas de Belo Horizonte, em que a artista inseriu aproximadamente 230 placas de esquina dentro do perímetro da Avenida do Contorno, indicando a presença de córregos canalizados que subterraneamente percorrem suas ruas: Leitão, Serra, Acaba-Mundo, Mendonça, Zoológico, Barro Preto e Afluente Serra, todos integrantes da Bacia do Ribeirão Arrudas. O trabalho de Isabela Prado convida a refletir criticamente, a partir de um olhar sensível, para a dinâmica hídrica e hidrográfica na cidade.

Com o apoio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte e de 360 apoiadores de uma campanha de financiamento coletivo realizada no final de 2021, a publicação apresenta os processos de criação, reflexão e diferentes registros da obra Sobre o rio, reunindo contribuições de diversos autores. Em Sobre o rio, a arte contemporânea tem o papel de provocar uma reflexão acerca da cidade, em diálogo com outras áreas, como o meio ambiente, o patrimônio, e o urbanismo.

A edição bilíngue (português e inglês) traz textos inéditos de Michele Arroyo, Alessandro Borsagli, Josué Mattos, Roberto Luís Monte-Mór e Guilherme Wisnik, além de uma entrevista realizada pelos curadores Clarissa Diniz e Josué Mattos com a artista Isabela Prado. O livro reúne documentações e reflexões acerca do projeto, bem como lança luz em torno das pesquisas que Isabela Prado vem realizando desde 2006, as quais desaguaram em Sobre o rio.

Além disso, o livro inclui uma série de trabalhos inéditos de Isabela Prado, intitulada Futuro do Pretérito, elaborada a partir do diálogo entre fotografias antigas e atuais de Belo Horizonte. As imagens antigas foram realizadas nas décadas de 1920, 1960 e 1970, e mostram momentos distintos de canalização dos córregos presentes no município. As imagens atuais procuram replicar de forma aproximada a localização e o ponto de vista das antigas, de modo a explicitar as alterações na paisagem da cidade devido ao apagamento de seus cursos d’água.

Para o jornalista Rogério Faria Tavares, presidente da Academia Mineira de Letras, o livro é mais que o registro de uma intervenção artística feita na cidade: “A publicação oferece uma excelente entrevista com Isabela Prado, por meio da qual é possível conhecer o seu pensamento sobre o trabalho realizado em Belo Horizonte. As fotos que o documentam são valiosas. Os ensaios incluídos no volume também são preciosos, expandindo as reflexões sobre as cidades e suas relações com os rios. A leitura flui leve, prazerosa. O projeto gráfico é elegante e seduz imediatamente os leitores”.

 

SERVIÇO:

Academia Mineira de Letras

Exposição “Cartografia Imaginária: Rua da Bahia”

Data:

Abertura: 8 de outubro, às 10h

Visitação: de 9 de outubro a 15 de novembro

Funcionamento: de terça a sexta de 10h às 19h

Sábado de 10h às 16h

Entrada gratuita

Lançamento do livro “Sobre o Rio”, da artista e professora Isabela Prado

Bate-papo com a autora, com mediação de Janaina Melo e a participação de Michele Arroyo e Roberto Monte-Mór

Data: 8 de outubro, às 10h

Mais informações:

https://academiamineiradeletras.org.br/

https://www.instagram.com/amletras/

Leo Junior
Leo Juniorhttps://viralizabh.com.br
Bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNA, graduado em Marketing pela Unopar e pós graduado em Marketing e Negócios Locais e com MBA em Marketing Estratégico Digital, é um apaixonado por futebol e comunicação além de ser Jornalista certificado pelo Ministério do Trabalho.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments