domingo, abril 21, 2024
HomeNoticiasCulturaA guerra pelo olhar de Picasso: uma análise da Guernica

A guerra pelo olhar de Picasso: uma análise da Guernica

Professor Marco Elizio de Paiva vai abordar a relação de Picasso com a guerra e analisará a obra “Guernica” como uma denúncia contra os horrores do conflito

A expressão artística moderna europeia foi profundamente influenciada pelas guerras que assolaram o mundo durante o século XX. A obra Guernica, de Pablo Picasso, é um exemplo emblemático, que demonstra o espanto do artista diante do horror da destruição e da morte provocadas por conflitos internacionais. Para falar sobre a obra e seus significados, a Casa Fiat de Cultura realiza, no dia 17 de maio, das 19h às 20h30, a palestra online “A guerra pelo olhar de Picasso: uma análise da Guernica”, que será ministrada pelo professor e historiador Marco Elizio de Paiva. O evento terá transmissão online e ao vivo, e as inscrições são gratuitas, pela Sympla (https://bit.ly/GuerraPeloOlhar).

A enorme tela representou a ideia da aniquilação como denúncia, criando alertas político-sociais em mensagens diretas e penetrantes sobre os direitos de defesa humana. Picasso conseguiu demonstrar que nunca o homem foi tão poderoso belicamente, mas também nunca se sentiu tão diminuído e abandonado moralmente. Marco Elizio de Paiva abordará a relação do artista com a guerra, a partir da análise da “Guernica”, mostrando como a obra foi construída e, principalmente, como produto de um grande humanista. “A obra Guernica é importantíssima, porque possui o poder de impactar qualquer um que se poste à sua frente. São cenas cheias de paixão, que transcendem qualquer escola ou categoria de arte”, defende Marco Elizio.

Em 1937, o governo espanhol encomendou a Pablo Picasso um painel para o pavilhão espanhol, na Exposição Internacional de Paris e, até 26 de abril daquele ano, o artista ainda não havia decidido qual tema abordar. Mas, nesta data, a cidade Guernica foi bombardeada durante 3 horas seguidas por aviões alemães da Legião Condor. A tela foi pintada como uma denúncia contra o autoritarismo, sendo, ao mesmo tempo, uma obra de memória. “Picasso se inspirou na destruição da cidade basca de Guernica a partir de fotos publicadas no periódico francês L’Humanité. No entanto, muito além do drama espanhol, sua pintura trata o calvário moderno da agonia das ruínas produzidas pelas bombas e a fragilidade humana diante dos conflitos como alerta sobre a crueldade humana quando se perde a racionalidade superando qualquer possibilidade de acordos civilizados”, analisa o professor Marco Elizio.

Com grandes dimensões – 7,76 metros de comprimento por 3,49 metros de altura –, Guernica foi a primeira obra exibida em seu pavilhão. A tela foi pintada com uma tinta especial fosca, para evitar efeitos de brilho. Toda em tons de preto, cinza e branco, apresenta toda a sensação de drama daquele momento, quase como uma fotografia. A composição cubista apresenta figuras decompostas em formatos geométricos, com vários elementos que retratam todo o horror do bombardeio: uma mulher ajoelhada com o filho morto nos braços; um cavalo agonizando, trespassado por uma lança; o fogo que invade o cômodo pelas janelas.

O historiador conta que Picasso conseguiu, em sua investigação plástica, pintar um grito de horror e angústia de toda a humanidade diante das guerras. “Não há no mural de Guernica nada identificável com soldados, bandeiras, aviões, armas ou sangue. O que foi pintado foram motivos de uma iconografia muito mais reveladora da dor e da destruição de valores comuns. Esta é a razão por que a Guernica é uma obra definitivamente imortal”, destaca.

A palestra “A guerra pelo olhar de Picasso: uma análise da Guernica” é uma realização da Casa Fiat de Cultura e do Ministério do Turismo, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat, do Banco Safra e da Usiminas, e co-patrocínio do Grupo Colorado. O evento tem apoio institucional do Circuito Liberdade, do Governo de Minas e do Governo Federal, além do apoio cultural do Programa Amigos da Casa, da Brose do Brasil e do Instituto Usiminas.

Sobre o palestrante

O professor Marco Elizio de Paiva é historiador pela PUC Minas e mestre em história da arte moderna pela University of Texas at Austin. Foi professor adjunto do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Belas Artes da UFMG por 30 anos, escola da qual foi também diretor, de 1997 a 2001. É coordenador do curso de especialização em história da arte da PUC Minas e estudioso da arte colonial brasileira, arte pré-colombiana das Américas, arte barroca, arte russa e arte islâmica. Tem se destacado como travel consultant em roteiros culturais, especialmente os que envolvem a arte pré-colombiana, a arte barroca na Itália e Portugal, a arte islâmica, assim como a arte colonial brasileira.

Casa Fiat de Cultura

A Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural brasileiro, ao realizar prestigiadas exposições. A programação estimula a reflexão e interação do público com várias linguagens e movimentos artísticos, desde a arte clássica até a arte digital e contemporânea. Por meio do Programa Educativo, a instituição articula ações para ampliar a acessibilidade às exposições, desenvolvendo réplicas de obras de arte em 3D, materiais em braille e atendimento em libras. Mais de 60 mostras, de consagrados artistas brasileiros e internacionais, já foram expostas na Casa Fiat de Cultura, entre os quais Caravaggio, Rodin, Chagall, Tarsila, Portinari entre outros. Há 16 anos, o espaço apresenta uma programação diversificada, com música, palestras, residência artística, além do Ateliê Aberto – espaço de experimentação artística – e de programas de visitas com abordagem voltada para a valorização do patrimônio cultural e artístico. A Casa Fiat de Cultura é situada no histórico edifício do Palácio dos Despachos e apresenta, em caráter permanente, o painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. O espaço integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Mais de 3,5 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 600 mil participaram de suas atividades educativas.

SERVIÇO

Palestra Online “A guerra pelo olhar de Picasso: uma análise da Guernica”
Transmissão online
17 de maio de 2022, às 19h
Inscrição gratuita pela Sympla:  https://bit.ly/GuerraPeloOlhar

Casa Fiat de Cultura
Circuito Liberdade
Praça da Liberdade, 10 – Funcionários – BH/MG
Horário de Funcionamento: terça a sexta-feira, das 10h às 19h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Informações
(31) 3289-8900
www.casafiatdecultura.com.br
casafiat@fcagroup.com
facebook.com.br/casafiatdecultura
Instagram: @casafiatdecultura
Twitter: @casafiat
YouTube: Casa Fiat de Cultura
http://www.circuitoliberdade.mg.gov.br/

Leo Junior
Leo Juniorhttps://viralizabh.com.br
Bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNA, graduado em Marketing pela Unopar e pós graduado em Marketing e Negócios Locais e com MBA em Marketing Estratégico Digital, é um apaixonado por futebol e comunicação além de ser Jornalista certificado pelo Ministério do Trabalho.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments