domingo, julho 14, 2024
HomeEntretenimentoOSCs sofrem queda de grandes doações em 2023

OSCs sofrem queda de grandes doações em 2023

CRÉDITO: Freepik.

 

Presidente da Cebraf, Tomáz de Aquino sugere criatividade e transparência das organizações da sociedade civil para superar déficit

Matar um leão por dia parece ser mesmo a sina das organizações da sociedade civil (OSCs) no Brasil. E em 2023 a luta pela sobrevivência foi ainda mais difícil do que em anos anteriores. Pelo menos é o que sugere o Monitor de Doações, ferramenta da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR) e do Grupo de Institutos e Fundações (Gife).

O monitor registra todas as doações com valores acima de R$ 3 mil, que tenham sido informadas publicamente por pessoas físicas e jurídicas. Em 2022, essa modalidade de doação às OSCs alcançou a cifra de R$ 1,4 bilhão. Porém, no ano passado, o montante sofreu uma forte queda de 67%, parando nos R$ 475 milhões.

O advogado Tomáz de Aquino Rezende avalia que os números foram um golpe duro para as entidades. Especializado em assistência jurídica voltada para entidades sem fins lucrativos e presidente da Confederação Brasileira de Fundações (Cebraf), ele conhece de perto a realidade do Terceiro Setor.

“O monitor de doações não é um parâmetro totalmente certeiro a respeito das arrecadações, mas também não pode ser desprezado. Ele sinaliza que, na melhor das hipóteses, os grandes doadores não se sentiram inclinados a declarar apoio. E isso é muito ruim, porque divulgar suas doações é um estímulo para que outras pessoas tomem a mesma atitude”, lamenta.

O levantamento traz mais um número negativo: o número de doadores. Entre 2022 e o ano passado, a quantidade caiu de 397 para 158 pessoas (entre físicas e jurídicas) – um desmorono de 60%. “Nós poderíamos até acreditar que essa diferença foi de doadores que não quiseram revelar suas contribuições, mas seria tapar o sol com a peneira. A arrecadação das OSCs diminuiu, e isso significou que elas tiveram de encontrar outras formas de sobreviver”, revela Tomáz de Aquino.

Criatividade e transparência
O presidente da Cebraf explica que a situação é menos caótica para quem tem contratos de parceria com o poder público, e, claro, para quem ainda recebe doações mais volumosas. Já as OSCs que não desfrutam de nenhuma das duas situações, ele sugere duas frentes: usar da criatividade e da transparência.

“A criatividade, neste caso, seria buscar caminhos alternativos para alcançar os recursos por meio de doações. Engajar-se com a sociedade ou mesmo com a comunidade ao seu redor e criar campanhas com a participação popular pode ser uma forma eficaz”, recomenda.

“Mas a criatividade tende a ter êxito num médio-longo prazo se a organização agir com transparência, mostrar os números, seu progresso financeiro e a maneira como utilizou sua arrecadação. O negócio é trabalhar para que as pessoas confiem e deem crédito para aquilo que a entidade faz. Se conseguir alcançar isso, as doações tendem a aumentar”, orienta.

Redação Viraliza BH
Redação Viraliza BH
Felipe de Jesus é Jornalista pela Faculdade Estácio de Sá/BH | Advogado pela UNIESP e Pós-Graduado em Direito Empresarial e Direito Público e Licitatório pela Faculdade Focus. É Economista pela UNIP/SP | Teólogo pela ESABI | Sociólogo pela Universidade Polis das Artes/SP | Técnico em Publicidade pela IPED/SP | Perito & Assistente Judicial Trabalhista - Contábil/Imobiliário pela 'Faculdade Beta Perícias & Pós-Graduação Jurídica' | Mestre em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação pela UEMC. Atualmente cursa o Bacharelado em Farmácia/Ciências Médicas pela UniFECAF/SP.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments