quinta-feira, junho 20, 2024
HomeNoticiasEstadoFalta de mão de obra gera "apagão" na construção civil

Falta de mão de obra gera “apagão” na construção civil

Uma sondagem feita pela  Confederação Nacional da Indústria(CNI), com o apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção(CBIC) referente ao primeiro trimestre de 2024 revela que a maior preocupação do empresário da construção civil hoje é a falta de mão de obra qualificada e também seu alto custo.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Minas Gerais( Sinduscon/MG),Renato Michel, o motivo dessa preocupação do setor é causada pelo que ele classifica como um “apagão” de mão de obra no setor. ” Hoje atuamos com 100% de empregabilidade, devido à forte recuperação do setor após o período de pandemia e por isso 28,2% dos empresários consultados destacaram a dificuldade de contratar como o maior problema do segmento”, afirma.

A construção civil gerou 110 mil postos de trabalho com carteira assinada, somente no primeiro trimestre de 2024 segundo dados do Ministério do Trabalho. Segundo a série história do Caged é a segunda vez que o setor gerou mais de 100 mil empregos no primeiro trimestre do ano. O grande destaque foi o setor da construção de edifícios, responsável por 42% as novas vagas, seguido pelo segmento de serviços especializados, que responderam por 34% e obras de infraestrutura, por 25%.

 Minas Gerais gerou 13 mil novos postos de trabalho,sendo 2886 em Belo Horizonte. Desse total são 10.362  homens e 2991 mulheres.

Necessidade de treinamento e capacitação de mão de obra e expulsão da FIEMG

O presidente do Sinduscon/MG é enfático em relação à solução para o problema. ” É preciso investir no treinamento e capacitação da mão de obra. A maioria dos trabalhadores no setor hoje estão na faixa de 18 a 24 anos e é grande a empregabilidade. Quem se capacita tem emprego garantido hoje em dia nas obras”, revela.

O canal para realizar os treinamentos, explica Renato MIchel, seria o SESI/SENAI.  Mas explica o presidente do Sinduscon/MG isso não ocorre atualmente. ” O que acontece é um desvio da função desses órgãos no que se refere à construção civil. O setor emprega 350.000 trabalhadores em Minas Gerais, o que gera uma receita estimada de 235 milhões de reais por ano para as entidades, que tem como função primordial a capacitação de trabalhadores. O setor da construção civil recebe apenas R$ 7 milhões desse total de 235 milhões. Quero entender o que está acontecendo, pois é um absurdo e não há solução para a falta de trabalhadores no nosso setor sem o treinamento através do SESI/SENAI, ligados à FIEMG.

Renato Michel foi expulso ontem(23/05) da Fiemg. em Assembleia Geral da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) realizada nesta quinta-feira (23/05).  ” A expulsão ocorreu porque tenho lutado para que esses recursos sejam corretamente aplicados. Uma boa notícia é que o TCU entendeu que o valor deve ser usado somente para fins de treinamento”, explica.

“A Construção Civil, enquanto grande gerador de emprego e renda, e, portanto, como grande contribuinte do Sistema S, deveria ter um orçamento compatível com sua grandeza junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) para treinamento e capacitação dos milhares de trabalhadores do segmento gratuitamente. É preciso transparência quanto ao volume de recursos repassados ao Sistema S, bem como maior participação do Setor da Construção na formulação de políticas e estratégias que atendam às suas demandas”, enfatiza o presidente do Sinduscon-MG.

Leo Junior
Leo Juniorhttps://viralizabh.com.br
Bacharel em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário UNA, graduado em Marketing pela Unopar e pós graduado em Marketing e Negócios Locais e com MBA em Marketing Estratégico Digital, é um apaixonado por futebol e comunicação além de ser Jornalista certificado pelo Ministério do Trabalho.
RELATED ARTICLES

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Dê sua sugestão!spot_img

Most Popular

Recent Comments